Chegada do segundo filho fica melhor com planejamento financeiro

Várias artigos do primeiro filho podem ser utilizados também pelo segundo. Foto: iStock, Getty Images

Se o primeiro bebê já requer um planejamento financeiro, com o segundo filho não é diferente. Um cálculo elaborado pelo presidente do Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing (Invent Trade), Adriano Amui, aponta que o desembolso com um filho até os 21 anos pode ficar entre R$ 200 mil e R$ 1 milhão, dependendo da condição do casal.

Esse cálculo leva em conta as despesas com alimentação, educação, saúde e lazer. Isso não significa que seja impossível ter um segundo filho. Mas para que o padrão de vida não mude drasticamente, algumas dicas podem ser úteis.

Várias artigos do primeiro filho podem ser utilizados também pelo segundo. Foto: iStock, Getty Images

Segundo filho: meta é reduzir gastos

Confira sete dicas financeiras que vão ajudar você a realizar o sonho de ter um segundo filho. Siga esses passos e boa sorte.

Reserva financeira

O ideal, para manter as contas sob controle, é começar o planejamento com dois anos de antecedência à chegada do segundo filho. Mesmo se não for possível, ainda há outras alternativas.

Renda necessária

Os especialistas em finanças pessoais indicam que os gastos sobem em média de 20% a 30% com a chegada de um bebê. Por outro lado, toda família costuma ter um excesso de despesas dentro desse percentual. Portanto, basta cortar os supérfluos e readequar sua renda, investindo as economias no enxoval.

Corte de gastos

Aqui entram as velhas dicas para quem quer economizar: tomar banhos mais curtos, fechar a torneira enquanto escova os dentes, cozinhar em casa em vez de comer fora, consertar em vez de comprar um eletrodoméstico novo, enfim, fechar o cofre para tudo que não for essencial.

Defina o que é essencial

O pacote de itens essenciais ao bebê inclui artigos como berço, fraldas, roupas, medicamentos, vacinas, exames e pediatra. Outros gastos como decoração do quarto, vídeo do ultrassom e do nascimento são considerados supérfluos.

Invista primeiro apenas em itens essenciais para o bebê, como fraldas. Foto: iStock, Getty Images

Calcule o enxoval

O chá de bebê é uma excelente alternativa de economia. Para ser mais eficaz, você pode calcular o que irá gastar e colocar na lista as quantidades que precisa, para evitar ganhar itens que não irá usar.

Economize na decoração

Há muitas opções econômicas que dispensam reformas e outros gastos maiores na chegada do segundo filho. Aproveite o berço e compre uma cama para o filho mais velho. Também vale aplicar tiras de papel de parede ou adesivos, o que evita gastos com pintura e muda o visual do quarto.

Aplicar adesivos ou papel de parede é mais econômico e dá nova cara ao quarto. Foto: iStock, Getty Images

Cogite um brechó

Se a diferença de idade não é grande entre as crianças, você pode reaproveitar itens do primeiro filho. Além disso, cogite comprar os artigos mais caros em um brechó infantil. É uma forma consciente de adquirir produtos que serão utilizadas por pouco tempo.

Além disso, se você ainda guarda itens caros, como banheira, carrinho, cadeirinha de carro, pode reaproveitar tudo. O importante é canalizar os recursos para o que for essencial e, caso sobre, é preciso cogitar a abertura de uma poupança.

 

Você tem uma boa dica para quem espera um segundo filho? Comente.